quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Descubra como os exercícios físicos interferem no seu desempenho sexual

Fim de ano, chegada do verão, estação em que no Brasil, país tropical, os corpos apresentam-se expostos. Talvez seja, então, uma boa época para pensarmos se a busca desenfreada por um corpo perfeito interfere no desejo sexual da mulher.

Uma das grandes preocupações de hoje é emagrecer. E, para atingir a meta estabelecida pela mídia e pelo mundo da moda corpo perfeito, magro e malhado (a qualquer custo) cresce o número de cirurgias plásticas, aquelas que têm por objetivo a reconstituição de uma parte do corpo por razões puramente estéticas e para se adequar ao padrão. E, também os transtornos alimentares, ou seja, muitas mulheres têm negado seus corpos e, com isto, sua feminilidade.


O mundo contemporâneo oferece muitos produtos ‘mágicos’, cirurgias instantâneas, dietas milagrosas, medicações infalíveis, exercícios físicos extraordinários e não tolera a imperfeição, o que dificulta o processo de subjetivação do feminino, ou seja, a mulher reconhecer-se como tal.

Essa atual valorização de um determinado tipo de corpo feminino perfeito, magro e malhado, tem ido contra a busca da autonomia da mulher. A procura pela liberdade deve ir em direção a liberação de qualquer opressão, o que inclui não se submeter a um novo tipo de prisão, o aprisionamento dos corpos pela submissão aos modelos.

Será que estar dentro dos estabelecidos padrões de belezas garante uma sexualidade saudável?

Sim! Malhar traz benefícios que vão muito além de pernas bem torneadas ou um bumbum definido. E é claro que a vida sexual não poderia ficar livre dessa influência. Indo direto ao ponto, atividade física praticada de forma adequada muda sua performance, entre quatro paredes, para melhor. Estimula à circulação sanguínea e linfática, aumento do fôlego e da disposição, melhor funcionamento dos intestinos, regularização do ciclo menstrual e redução de cólicas são apenas alguns dos efeitos da malhação que interferem na vida sexual. E não é só o corpo que se beneficia com as horas investidas na academia: a saúde mental ­ tão importante nesses assuntos quanto a física ­ também tem a ganhar.



"Malhar, correr ou se alongar, qualquer esforço físico libera endorfinas, um grupo de hormônios que age como analgésico natural e afeta as emoções. São elas ­ muito mais que o resultado no espelho ou os elogios ­ que causam a sensação de bem-estar depois de uma aula de ginástica bacana. Como tudo que é bom, as endorfinas são um tanto viciantes: é por isso que você volta para uma segunda aula de spinning depois de ficar dolorida na primeira. Depois de algumas doses regulares desses hormônios, o cérebro se acostuma com eles e passa a procurar mais. “o sexo não deixa de ser uma ginástica”. É por isso que, como regra geral, quem se exercita tem mais desejo sexual do que aquelas que ficam paradas. Por conta da ação das endorfinas, as malhadoras têm a sensação de que deixaram os problemas na academia e ficam menos impacientes e ansiosas ­ coisas que por si sós ajudam qualquer encontro romântico. Ao mesmo tempo, se exercitar também deixa você mais desperta. “Malhar à noite é uma dica para quem quer transar mais, mas se sente muito cansada no fim do dia”, sugere Samara. Acostumados como estamos à ideia de que sexo bom é sexo quente, que dura horas e tira a cama do lugar, vale lembrar da melhora que o maior fôlego conquistado nas atividades aeróbicas pode trazer. Pulmões e coração mais saudáveis se transformam em mais tempo de diversão, o que faz toda a diferença para casais que demoram um pouco mais para atingir o orgasmo. Melhor condicionamento físico se traduz também em menos câimbras, permitindo sustentar posições mais prazerosas por mais tempo. Não que o sexo acrobático seja necessariamente mais gostoso. Mas uma panturrilha ou músculos das costas mais fortes dão a oportunidade de procurar sem desconforto o que é melhor para você e seu parceiro. Por mais impressionantes que pareçam as poses do Kama Sutra, elas não são as únicas que permitem ver estrelas. Os exercícios aeróbicos também têm consequências diretas na atividade sexual. Um coração treinado faz com que o sangue circule melhor e chegue aonde tem que chegar no caso, os tecidos da região genital, cuja irrigação apropriada é fundamental para a excitação sexual. Mulheres com vasos desobstruídos ­ e aí fatores como alimentação e tabagismo também contam ­ têm maior lubrificação e melhores condições de atingir o orgasmo. Nos homens, o melhor funcionamento do aparelho circulatório tem efeitos muito parecidos com o de drogas vasodilatadoras como o Viagra." Diz a professora de educação física, Samara Quiroz, da Academia Runner, de São Paulo a revista Claudia.









by
(-:Gracinha de Souza:-)

4 comentários:

ROMÁRIO RODRIGUES disse...

Diante do exposto é louvavel externar o quanto este blog tem evoluido. Esta matéra, sem dúvida, foi uma das matérias mais proveitosas do ponto de vista deste comentarista; por isso ressalto tamanha habilidade quando se fala em subjetivismo feminino, sexo acrobático e manual secular (kama sutra), cujo livro tenho em minha escrivanhinha. logo estes três itens do texto formam as palavras chaves do grau de intelectualidade da matéria e faz lembrar a Rita Lee, amor e sexo, esta letra faz a distinção,mas tenho a ousadia de entender que não é possivel separa-los; são indissociáveis.É sempre bom evoluir, parabéns!

Gracinha Radialista - Estudante de Jornalismo. disse...

Caro Romário, muitíssimo obrigada pelas suas belas palavras. Vindo de vc, um meniino culto, inteligente e acima de tudo observador, me deixa muito feliz.



(-:Gracinha de Souza:-)

EDILÂNE ACIOLI disse...

oi meus parabéns pelo blog muito bom msm ñ podia dxa se segui bjo
espero q d uma olhada no meu e que tbm goste xau :)

Gracinha Radialista - Estudante de Jornalismo. disse...

Cara Edilane, muitissimo obrigada, viu?

Seja bem vinda !!!

Ah, irei sim dar uma espiadinha no seu blog tb.


Atenciosamente

(-:Gracinha de Souza:-)